Felipe Bronze Perto do Fogo – Boca no Mundo
Home » Vida » Entrevista » Felipe Bronze Perto do Fogo
13 de dezembro de 2016

Felipe Bronze Perto do Fogo

São 25 molhos de cebolinha por semana, comprados aos sábados, na feira orgânica do Jardim Botânico. É paixão do cozinheiro, e alguém tem dúvidas sobre o destino do vegetal? A brasa, na verdade, eleva não apenas o ingrediente, mas a vida de Felipe Bronze, que tem receita na churrasqueira até para os domingos dedicados ao filho pequeno. Em março, tudo vai para as telas com a estreia de Perto do Fogo, novo programa no canal GNT.

Enquanto isso, Felipe pode ser encontrado ao vivo no Pipo, recém-aberto no Fashion Mall, e no Oro, no Leblon, onde o braseiro brilha com intensidade. O chef considera que a chamada gastronomia molecular foi a maior revolução na história dos restaurantes – ainda não assimilada -, mas segue outros caminhos e desejos.

“Minha comida agora é mais direta. Quero que todos guardem o que comeram na memória”.

Desafio é alimento para o inquieto colecionador de prêmios cariocas, e Felipe Bronze avisa neste bate-papo que Nova York e Barcelona não perdem por esperar. Vai chegar lá.

Arroz negro, sardinha, gelatina de dashi:

“O Alpino não é chocolate”, diz Lucas Corazza. Clique para a entrevista

Boca no Mundo – Como estão as gravações de Perto do Fogo, seu novo programa no GNT?

Felipe BronzeEstou especialmente feliz com esse projeto. A locação é uma casa linda no Cosme Velho, com ambiente da Bel Lobo, e pela primeira vez gravamos o preparo das coisas totalmente do zero. Geralmente não é assim que acontece, mas na brasa não poderia ser diferente. Mostro como podemos cozinhar qualquer coisa na churrasqueira. Arroz, por exemplo, fica delicioso. Coloco na brasa e na panela, com o spray, um pouco de óleo, que é um encapsulador de aromas e transfere ao arroz os aromas da brasa. Estão todos empolgados, teve gente na equipe técnica que começou a fazer churrasco em casa, estão fazendo as receitas e comentando comigo.

BM – Podemos dizer que o método mais antigo de cocção ainda é o melhor para se fazer comida?

FBSim. Eu tenho duas paixões: a comida crua dos sushis, sashimis, ceviches, e o cozimento na brasa. É assim que eu recebo os amigos todo fim de semana. Comecei a perceber como a cozinha lá de casa era gostosa, vibrante. Há muito tempo queria morar com um espaço externo para fazer fumaça. Pulei de alegria quando cheguei no novo apartamento abraçado à churrasqueira, que uso para tudo. Dou sempre um jeito. No domingo, saí para passear com meu filho e deixei uma costela de porco assando a 100°C, coberta no forno. Voltei duas horas depois e estava descolando do osso. Pincelei com missô e finalizei na brasa.

Costelinha de porco, abacaxi, maionese defumada, pão no vapor:

Confira a lista dos 10 melhores restaurantes do Rio em 2016

BM – Sempre te vejo aos sábados, na feira orgânica do Jardim Botânico. O que costuma levar para casa?

FBCompro batata doce, aipim e 25 molhos de cebolinha, é o consumo semanal desse verde que eu amo. Faço cru, na brasa e de várias formas, muitas vezes acompanhando um prato de noodles frio.

Cordeiro, picles de pepino, babaganoush:

BM – Você acha que a chamada cozinha molecular, pela qual o Oro ficou conhecido, cumpriu seu papel revolucionário e se esgotou?

FBEssa cozinha tem um vício de origem que é o foco na técnica. É uma pena, porque ela foi a grande revolução da história da gastronomia, mais do que as feitas por Escoffier, ou a Nouvelle Cuisine, que foram mudanças no campo das ideias. O problema é que muita gente ouve o galo cantar sem saber onde, e quer se apropriar sem critérios. É falsa a impressão de que estamos falando especificamente de tecnologia. O sentido é de transformação. A cozinha de vanguarda que praticamos está em evolução constante.

Tempura de abóbora, emulsão de manteiga, café:

BM – A cozinha aberta é outra novidade, com o chef no balcão. A capacidade do restaurante foi reduzida e o menu está menor. Como essas decisões influenciam seu trabalho?

FBDiminuir os menus-degustação é algo que está no inconsciente coletivo dos chefs. As pessoas não podem sair com mal estar. Acontecia também de me dizerem, passando algum tempo, que a experiência no Oro havia sido maravilhosa, mas se confundiam ao lembrar dos pratos. Quero que todos guardem o que comeram na memória. Minha comida agora é mais direta, volto de forma mais perceptível a algo pelo qual fui reconhecido no início da carreira, que são as combinações dos elementos no prato, o que fica melhor com cada coisa. Mas a surpresa permanece, principalmente nos snacks. O acabamento cuidadoso, a feminilidade, a leveza.

Sorvete de menta, chocolate em texturas:

BM – As sobremesas do Oro sempre foram muito elogiadas. Apresentar o programa Que Seja Doce aprimorou de alguma forma seu repertório de doçuras?

FBRecuperei o tesão pela pâtisserie que é algo do início da carreira. No programa, sou eu quem mais recebo informações, porque fico o tempo todo com os participantes na cozinha. Pouca gente sabe, mas o grande prêmio que recebi, e que me impulsionou, foi nos tempos de estudante, em Nova York. E o prato premiado utilizava técnicas de confeitaria, uma escultura de caramelo salgado. Meu confeiteiro, aliás, veio da televisão. É o Henrique Rossanelli, que descobri no The Taste.

BM – É verdade que você tinha planos de morar fora do Brasil e abrir o Oro em Miami?

FBMe desanimei com a política e já estava com ponto em Miami, assinando pré-contrato, ia me mudar com a família. Mas comecei o trabalho e senti falta do Rio. Meu desejo era abrir aqui e fazer a expansão internacional, e de repente houve uma congruência de fatores positivos e apareceu a casa no Leblon. Quero levar essa carioquice, o que dá certo aqui para o mundo. Fazer em Nova York, Barcelona. Não sei quando, mas vou levar.

Na foto de abertura: Porco, banana e torresmos.

Delícia: Já está seguindo o Instagram de Boca no Mundo?

Notícia: No Facebook há informações diárias do mundo da gastronomia




Nossa Casa

 

Se você não faz fotossíntese, veio ao lugar certo.

 

Boca no Mundo é o blog do jornalista Pedro Landim.

 

Um lugar para quem adora comer, beber, cozinhar, e falar de comida.

 

Sejam muito bem-vindos.