Costelas na Coca-Cola – Boca no Mundo
Home » Receita » Feira Livre » Costelas na Coca-Cola
02 de dezembro de 2014

Costelas na Coca-Cola

 

Bebida intelectual e sóbria, deliciosa, refrescante, revigorante e estimulante, mas também um valoroso tônico para o cérebro e uma cura para todas as doenças nervosas, dor de cabeça, nevralgia, histeria, melancolia etc“.

Assim estava escrito na etiqueta amarrada às garrafas, em remessa que seria distribuída nas drogarias, no fim do século 19, de uma bebida que adicionava soda gasosa a seu xarope aromático, onde derivados de folha de coca, como a cocaína, encontravam a noz de cola, uma planta africana de supostas propriedades medicinais.

O século 20 faria da Coca-Cola a marca mais conhecida e valiosa do mundo, além de símbolo maior, no mundo globalizado, da hegemonia dos Estados Unidos da América. A terra do ‘barbecue’, do churrasco de costelas de porco em molhos agridoces e ‘defumados’.

Era a fome com a vontade de comer. Ou melhor, de beber. Quer dizer, de jogar na panela o ‘remédio’ que virou refrigerante. De reduzí-lo até retornar a seu caramelo básico de plantas aromáticas, e cobrir com ele a carne de porco.

As Coke Ribs pertencem ao mesmo universo controverso do Envolvimento Sinistro. Se cozinhar as costelas suínas em qualquer líquido pode representar heresia para churrasqueiros ortodoxos, imaginem fervê-las na Coca-Cola.

Já posso ver um casal levantando para ir embora ali na terceira fila, antes de acabar a sessão, e um senhor bradando adjetivos desagradáveis na cena em que o líquido escuro e espumante escorre sobre a carne rosada.

Peço calma, por favor, juro que sou um cara legal. Faço a feira orgânica no fim de semana, cozinho muitos legumes e lá em casa só como arroz integral. A questão é que Dr. Jekyll recebe às vezes a visita de Mr. Hyde, e este é afeito à gordura em todas as suas formas, condimentos e alimentos industrializados.

Confira aqui uma degustação comentada de molhos barbecue.

Para as costelas:

1 rack de costelinhas suínas / 1 litro ou mais de Coca-Cola / Sal e pimenta do reino moída

1 – Retire, como sempre e com a ajuda de uma faca, a pele transparente que reveste a parte do osso no conjunto de costelas, corte o rack em três ou quatro pedaços, para caber na panela, e tempere com sal e pimenta moída.

2 – Cubra as costelinhas com Coca-Cola e cozinhe, com a panela semi-tampada, até evaporar quase todo o líquido, que se transformará num caramelo no fundo da panela, deixando a carne ‘laqueada’. O processo demora cerca de 40 minutos.

3 – Passe as costelas para um tabuleiro de forno, e as cubra com o caramelo de Coca que sobrou na panela.

Para o molho barbecue:

200ml de polpa de tomate / 1 cebola média / 3 dentes de alho / 100ml de Coca Cola / 1 col. sopa de açúcar mascavo / 1 col. sopa de Tabasco (versão Chipotle, de preferência) / 2 col. sopa de mostarda estilo Dijon / 3 col. sopa de vinagre de maçã / Sal e pimenta do reino moída

1 – Com um fio de óleo, refogue a cebola e o alho em fogo médio-alto, salgando, e quando começarem a escurecer adicione a polpa de tomate, o refrigerante e os demais ingredientes, mexendo e abaixando o fogo. Deixe reduzir até obter um molho espesso.

2 – Com um processador, ou no liquidificador, bata bem o molho e, em seguida, passe-o no coador. Se preciso, acerte o tempero e reduza um pouco mais até a consistência desejada.

3 – Pincele nas costelas reservadas e as coloque em forno pré-aquecido a 220ºC, até dourarem, adicionando um pouco de água se o molho começar a ressecar no fundo do tabuleiro.

Observações: além das costelas, nota-se que fiz também um molho barbecue com Coca-Cola. Mas você pode utilizar qualquer outro, inclusive, é importante que ele tenha boa acidez, porque as costelas já estão carameladas e doces. Após o cozimento no líquido mágico, elas também poderiam ser assadas sem molho algum. Mas Mr. Hyde, quando entra na cozinha…

Ah, sim, ficaram boas demais as costelinhas.

Aprenda aqui a fazer um excitante ketchup de goiabada.




Nossa Casa

 

Se você não faz fotossíntese, veio ao lugar certo.

 

Boca no Mundo é o blog do jornalista Pedro Landim.

 

Um lugar para quem adora comer, beber, cozinhar, e falar de comida.

 

Sejam muito bem-vindos.